o-WOMAN-AT-DOCTOR-facebook.jpg

Qual método contraceptivo mais combina com você?

Segundo levantamento divulgado pela Organização das Nações Unidas em 2016, 79% das mulheres brasileiras fazem uso de algum tipo de método contraceptivo. Escolher a melhor opção só é possível com muita informação. Além disso, você não precisa e nem deve se decidir sozinha. Compartilhe suas dúvidas e preocupações com seu parceiro e/ou ginecologista para que vocês possam decidir juntos ;)

Se você está passando por esse momento, confira alguns métodos e saiba mais sobre eles. Nossa dica é anotar as opções que mais te deixam confortável e levar essa discussão para dentro do consultório do seu médico.

Métodos Hormonais Combinados

iStock-93011395.png

Pílula Anticoncepcional

Com eficácia de 99%, o contraceptivo oral combinado (COC) contém a combinação de dois hormônios, geralmente um estrogênio e um progestagênio sintéticos, que impedem a ovulação, modificam o muco cervical e tornam o endométrio inadequado para a implantação do embrião.

Anel+Vaginal.png

Anel vaginal

Dispositivo de silicone de cinco centímetros de diâmetro inserido mensalmente na vagina com a combinação de dois hormônios: etonogestrel e etinilestradiol. Possui a mesma eficácia e funciona como as pílulas combinadas.

static1.squarespace-1.png

Adesivo

A combinação de dois hormônios é absorvida através da pele e liberada na circulação de forma contínua por sete dias. O adesivo deve ser trocado semanalmente durante três semanas (total de 21 dias), deixando a quarta sem uso para ocorrer a menstruação. É muito eficaz para prevenção da gravidez de mulheres com peso abaixo de 90 kg, acima disso pode ter capacidade reduzida.

iStock-618637568.png

Injetável

Contém o progestagênio medroxipogesterona e é aplicado a cada 3 meses. A paciente entrará em amenorreia (provoca parada da menstrução).


Métodos Hormonais só de Progestagênio

Implate.png

Implante

Pequeno bastão de plástico que libera o hormônio etonogestrel em baixa dose, porém suficiente para impedir a liberação do óvulo pelo ovário e alterar o muco do colo do útero, o que dificulta a entrada de espermatozóides. O efeito anticoncepcional desse método começa logo depois de ser colocado e tem duração de até três anos.

static1.squarespace-2.png

DIU Hormonal

Dispositivo intrauterino libera o hormônio levonorgestrel dentro do útero e impede a passagem dos espermatozoides e a fecundação do óvulo. Tem alta eficácia e é indicado principalmente para quem deseja contracepção de longo prazo (cinco anos).


Métodos Comportamentais

iStock-641831648.png

Coito interrompido

É um dos métodos contraceptivos mais antigos. É a retirada do pênis da vagina pouco antes da ejaculação. Possui baixa eficácia, pois mesmo com o controle, há o risco de engravidar porque as secreções do pênis na fase de excitação podem conter espermatozóides vivos e possibilidade de fecundação.

iStock-847296800.png

Tabelinha

Para funcionar é fundamental a mulher ter ciclos menstruais regulares e observar outras características físicas como temperatura corporal e espessura do muco cervical. Mesmo com a ajuda de aplicativos de celular que auxiliam na utilização do método, é de baixa eficácia.


Métodos de Barreira

Camisinhas.png

Camisinha

Tem 85% a 90% de eficácia e ampla vantagem de prevenir a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis (DST).  Existem camisinhas masculinas e femininas. Ambas são de látex ou poliuretano.

iStock-982101120.png

Diafragma

Anel flexível coberto por uma borracha fina que impede a entrada dos espermatozoides no útero que deve ser colocado dentro da vagina cerca de 15 a 30 minutos antes da relação e retirado após 12 horas do ato sexual, porém apresenta 20% de chances de falha.

Espermicida.png

Espermicida

Substância química capaz de imobilizar e destruir os espermatozoides.  Pode ser creme, gel, spray, supositório ou comprimido que devem ser colocados dentro da vagina antes do ato sexual. Tem baixa eficácia e pode causar irritação, ulceração no colo, vagina ou pênis, além de desconforto relacionado ao sabor medicinal que pode interferir no sexo oral.

iStock-496523818.png

DIU de cobre

É um dispositivo plástico, geralmente em forma de T, com um filamento de cobre. Portanto, sem liberação de hormônio. Existem diversas marcas, podendo ter duração de até 10 anos. Quando a paciente decidir engravidar, após a remoção do dispositivo a fertilidade voltará rapidamente, independentemente do tempo utilizado.