iStock-482338432.png

Métodos Definitivos: riscos, consequências e eficácia

Existem diferentes métodos para evitar a gravidez e, quando se trata de um procedimento definitivo, consultar um especialista é essencial antes de tomar qualquer decisão para evitar futuros problemas.  A lei no Brasil exige que haja um intervalo de tempo de sessenta dias entre o manifestar do desejo pela cirurgia  e sua efetiva realização para que não haja esterilização precoce.

Levando em conta o perfil de cada casal, histórico de saúde, necessidades e preferências individuais, o especialista poderá responder a todas as suas dúvidas e de seu parceiro.

Mas para que você já chegue no consultório bem informada, conheça os métodos disponíveis:

sex_Artboard 24.png

Esterilização Feminina | Laqueadura

sex_Artboard 25.png

Esterilização Masculina | Vasectomia

iStock-487195846.png
iStock-489302156.png

Técnica simples de esterilização definitiva para mulheres, consiste na ligadura e secção das tubas uterinas, impedindo a passagem do óvulo que poderia ser fecundado pelo espermatozoide. O tempo de recuperação e o tipo de anestesia variam de acordo com a paciente. No entanto, a mulher precisa atender a alguns critérios pela realizar o procedimento: idade acima de 25 anos ou ter pelo menos 2 filhos vivos. O procedimento só poderá ser realizado no momento do parto, aborto ou até o 42º. Dia do pós-parto ou pós-aborto nos casos de comprovada necessidade (quando uma nova gestação poderá implicar em risco de morte materna).

 

Procedimento definitivo para homens é simples, rápido, sem necessidade de internação e na maioria das vezes com anestesia local. A técnica consiste no corte do canal deferente, localizado no saco escrotal, que permite a passagem dos espermatozoides até as glândulas que produzem o esperma (líquido) masculino. O homem continua ejaculando após a cirurgia, mas sem a presença dos espermatozoides. No Brasil, é autorizado para homens com mais de 25 anos ou que já tenham pelo menos 2 filhos vivos.